Núcleo OMSTRAB
Omstrab
e
Montestória

Foto: Fernando Lee
Núcleo OMSTRAB em Omstrab, primeiro espetáculo da companhia, que deu nome ao grupo.

  Para comemorar seus 20 anos de trajetória, o Núcleo OMSTRAB, de Fernando Lee, reapresenta duas importantes criações de seu repertório, que soma 11 produções: Omstrab (primeiro espetáculo da companhia, que deu nome ao grupo) e Montestória (inspirado na obra de Monteiro Lobato).

O espetáculo Omstrab é definido como uma viagem corporal bem humorada pelas raízes rítmicas brasileiras. É inspirado na movimentação e nos sons produzidos por trabalhadores, enquanto usam seus instrumentos de trabalho, e também na comunicação entre eles, dentro do ambiente da construção civil. A rítmica desses trabalhos é reinventada com base na respiração natural dos movimentos, no sentido de resgatar o ritual dos cantos de trabalho e das marchas.

Com passagens por ritmos africanos, indígenas e da Península Ibérica, até encontrar a mídia urbana, Omstrab passeia pela mistura gestual e rítmica do homem brasileiro. O repente nordestino se junta ao rap, o maracatu ao rock, o coco ao pop, sem folclorismos mas com humor, vistos sob o prisma de trabalhadores que migraram das regiões das secas para a grande cidade. Suas necessidades, amores e inseguranças, se expressam numa sociedade que impõe estereótipos masculinos de comportamento. Essa movimentação vai se transformando numa dança e essa dança numa marcha. Um grupo marchando, correndo, respirando junto, cantando junto, onde ora vozes e movimentos se sobressaem, ora solos, ora conflitos, talvez uma luta.

Omstrab é uma comédia musical, com música ao vivo e dança contemporânea, podendo ser um exercício em forma de movimento e uma dança em forma de exercício.

O elenco desta montagem de Omstrab reúne Alex Martins, Diogo Carvalho, Fernando Lee (que assina direção geral), Pedro Peu e Vagner Cruz. Artistas convidados: Marcelo Bucoff, Sergio Rocha e Aloisio Oliveira.

Montestória, livremente inspirado na obra de Monteiro Lobato, é um musical brasileiro de dança contemporânea, com músicas inéditas executadas ao vivo pelo intérpretes. Parte da obra de Lobato foi referência para a concepção do espetáculo. Toda a inspiração para Montestória se concentra em alguns contos do autor, que tornaram-se fontes generosas em detalhes, quanto aos personagens e ambientes descritos. A sequência coreográfica não tem uma trajetória cronológica ou descritiva da obra de Monteiro Lobato, nem pretende encenar suas histórias ou representar seus personagens. Inspira-se mais no ritmo das imagens das histórias e explora as sensações físicas, personificando-as numa partitura coreográfica (música e movimento).

Imagens do realismo fantástico – rurais em sua maioria – são confrontadas com a realidade urbana. Segundo Fernando Lee, a riqueza de detalhes da obra de Lobato fala ainda hoje diretamente aos nossos sentidos e pode aparecer em uma letra de música, em uma coreografia, em elementos cenográficos ou em composições extraídas de manifestações populares.

Como sempre acontece nas montagens do OMSTRAB, a linha de trabalho é a utilização e integração de técnicas corporais diversas como instrumental coreográfico.

A direção, coreografia e músicas originais de Montestória são assinadas por Fernando Lee, que integra o elenco junto com Alex Martins, Diogo Carvalho, Pedro Peu, Rossana Boccia, Thais Diniz, Vagner Cruz e Thiago Duar. A direção musical é de Éder ‘O’ Rocha e os arranjos musicais de Nilson Dourado e Fernando Lee.

Onde:
Galeria Olido
Sala Paissandu
Quando:
14 a 24 de abril/2016
Quinta a sábado às 20h
Domingo às 19h
Quanto:
Grátis
Info:

Avenida São João, 473, Centro, São Paulo (SP), tel. (11) 3331-8399.

Omstrab: 60 minutos.

Montestória: 70 minutos.

Classificação etária: livre.

Retirada de ingressos na bilheteria, com 1h de antecedência.

Os comentários estão desativados.