Laboratório Siameses, de Mauricio de Oliveira, estreia “Moscas de Fogo”

Mauricio de Oliveira volta à cena com toda sua potência.

Em setembro de 2021 estreou Da Natureza da Besta, que marcou seu retorno ao palco em um espetáculo solo cujo caráter autobiográfico acentua o vigor e a riqueza de sua trajetória. Obra que assinala maturidade, Da Natureza da Besta também destaca a desenvoltura de Mauricio de Oliveira em lidar com diferentes expressões e avançar para uma completude cênica. Dança, canto, teatro, música, tudo se encontra neste solo denso e possante.

Da Natureza da Besta integra a produção de 2021 de Mauricio, que agora – também presencialmente, graças ao maior controle da pandemia – estreia Moscas de Fogo, concebido para seu grupo, o Laboratório Siameses.

Moscas de Fogo é o segundo capítulo da trilogia Corpos Octópodes, contemplado pela 29ª edição do Programa Municipal de Fomento à Dança para a Cidade de São Paulo.

Foto: Arthur Wolkovier

O elenco de Moscas de Fogo reúne uma nata de bailarinos, que também revela o padrão de exigência de Mauricio de Oliveira com seus parceiros artistas. Maria Basulto, Rebeca Tadiello, Gabriel Tolgyesi, Graziely Perdiz, Gustavo Cabral, Jonatan Vasconcelos e Ricardo Ura estão em cena mostrando o resultado da criação feita em conjunto com Mauricio, que assina a direção. A criação também inclui Rodrigo Florentino, diretor musical do espetáculo, Adriana Hitomi, autora dos figurinos e Paulinho Fluxusz, na concepção do design de luz.

Em Moscas de Fogo, Mauricio e a companhia Siameses homenageiam o fazer artístico – e todos os envolvidos na realização criativa. Durante o espetáculo, palco e backstage se misturam, criando uma dimensão única, dando foco a todos os processos que constituem uma peça cênica. A proposta é mostrar a amplitude da arte, além do que comumente é visto em cena.

O texto O Artigo dos Vagalumes, de Pier Paolo Pasolini foi ponto de partida para Moscas de Fogo. Segundo Pasolini, o vagalume (ou moscas-de-fogo) é comparável aos artistas que, em tempos sombrios, são fonte de luz e esperança. A analogia vale para o atual período pandêmico, em que a cultura e os artistas, mesmo que indiretamente, têm proporcionado um suporte emocional e criativo para a população do mundo.

Foto: Arthur Wolkovier

“A experiência de trabalhar com esses artistas da dança, nesses últimos meses, foi arrebatadora. Fui recrutado a trabalhar num ambiente completamente diferente dos que tenho conhecimento, dado a abertura e envolvimento de cada um deles no decorrer do processo”, diz Mauricio de Oliveira sobre o trabalho em conjunto com os artistas de Moscas de Fogo.

O artista afirma ainda que “eles me despertaram de um lugar de desalento – quando não conseguimos manter uma relação dinâmica de troca artística, acabamos por nos exaurir de tudo. Esses artistas me lançaram num território criativo que não vivia há muito tempo, de muito diálogo, curiosidade e de pesquisa profunda sobre tudo o que foi trazido”.

“Me sinto transformado com essa experiência e bastante otimista com essa geração de pessoas realmente interessada na construção artística. Muito orgulho dessa geração que desponta”, ele conclui.

Foto: Arthur Wolkovier
Onde:
Teatro Alfredo Mesquita
Teatro Cacilda Becker
Quando:
26 e 27 de novembro/2021, sexta e sábado às 21h
3 e 4 de dezembro/2021, sexta e sábado às 21h
5 de dezembro, domingo às 19h
Quanto:
Grátis
Info:

Teatro Alfredo Mesquita: av. Santos Dumont, 1770 – Santana – São Paulo (SP), tel. (11) 2221-3657.

Teatro Cacilda Becker: rua Tito, 295 – Lapa – São Paulo (SP), tel. (11) 3864-4513.

Importante: é necessário apresentar comprovante de vacinação para entrar nos teatros.