“Fruto Rubro”, de Sandro Borelli e Cia. Carne Agonizante, estreia no Sesc Belenzinho

Sandro Borelli, um dos mais importantes artistas da dança de São Paulo, também fundador da companhia Carne Agonizante, estreia Fruto Rubro, espetáculo que reflete 25 anos de sua criação artística.

Fruto Rubro também significa 25 anos de resistência de Borelli e dos artistas independentes a ele associados.

O espetáculo é definido como uma recriação cênica a partir das obras contidas no repertório do grupo, produzidas em duas décadas e meia de atividades ininterruptas – ou uma ação corporal de resiliência poética e política, que se iniciou em 1992 com Sandro Borelli.

Segundo Borelli, este trabalho apresenta uma concentração dramatúrgica de cenas presentes em 19 obras criadas em sua trajetória, em um novo roteiro de cenas. Trata-se de uma espécie de depoimento vivo, abastecido constantemente por lembranças de corpos e propostas artísticas em dança, que fizeram parte de sua história e que compõem o arcabouço criativo e político do grupo.

Fruto Rubro é uma rememoração de um discurso estético e criativo, onde intérpretes da atualidade recriam em seus corpos as energias emanadas de um passado recente. Luz, trilha sonora e figurinos foram especialmente desenvolvidos para este novo impulso artístico coreográfico”.

Foto: Marcela Guimarães

Cenas de Fruto Rubro

  1. Colônia Penal: espetáculo inspirado na obra de Franz Kafka e na tortura da ditadura militar brasileira (2013).
  2. Não te abandono mais, morro contigo: inspirado na desilusão de dois amantes por conta da transformação de suas paixões em amor (2015).
  3. Eu em ti: coreografia estimulada pela poesia de Adalgisa Nery (2001).
  4. Artista da Fome: literatura de Franz Kafka (2008).
  5. O Processo: a partir da obra de Franz Kafka (2003).
  6. Jardim de Tântalo: inspirado no mito grego e na insanidade (2001).
  7. Bent: o canto preso: apoiada no texto teatral de Martin Sherman em que retrata um romance LGBT dentro de um campo de concentração na
    Alemanha nazista (1999).
  8. Carne Santa: inspirada na potência política e criativa da década de 1980 (2008).
  9. Gárgulas: concebida com base na instigante beleza confinada do corpo em ruína, contida nas pinturas de Lucian Freud (2004).
  10. Ponto final da última cena: criação motivada pela perda da memória ocasionada pelo Mal de Alzheimer (2004).
  11. Carta ao pai: com base na obra de Franz Kafka (2006).
  12. Estado independente: estimulado pela ideologia política e poética de Ernesto Che Guevara (2009).
  13. A Metamorfose: impulsionada pela literatura de Franz Kafka (2002).
  14. Adeus deus: motivado pela poética que envolve o fim da vida através do suicídio (2005).
  15. Não tive tempo para ter medo: pulsado pelo discurso poético e político de Carlos Marighella (2018).
  16. Balada da virgem, em nome de deus: baseada da figura mítica de Joana D’Arc (2018).
  17. Versos íntimos: inspirado em sentimentos de amor e ódio (2002).
  18. Pequena Fábula: baseado na obra de Franz Kafka (2021).
  19. Senhor dos Anjos: espetáculo que abriga a poética do paraibano Augusto dos Anjos (2001).
Foto: Marcela Guimarães

Sobre a Cia. Carne Agonizante:

Companhia de dança independente de São Paulo, desenvolve pesquisas e criações desde 1997, tendo em seu repertório 28 peças coreográficas. O percurso do grupo é pautado por uma dança teatralizada e seus trabalhos criativos têm a intenção de gerar uma potência, capaz de provocar reflexão na plateia e não a deixar apenas na superfície do entretenimento.

Os espetáculos do seu repertório discutem justamente a resistência à massificação, que se contrapõe à transformação da vida em mercado e do homem em mercadoria. Trafega na contramão do mercado Shopping Center cultural, muito preocupado com cifras e público e pouco inquieto com as relações sociopolíticas.

O ato de atuar/dançar, para a Cia. Carne Agonizante, deve ser entendido como uma poderosa manifestação política cultural e social, movimento para desafiar padrões éticos e questionar o cotidiano da arte contemporânea.

Para os artistas do grupo, de nada adianta fazer uma revolução dos padrões coreográficos sem que com eles não sejam produzidas metamorfoses capazes de transformar a sociedade ou de questionar o status quo.

Ficha técnicaElenco Cia. Carne Agonizante: Patrícia Pina, Rafael Carrion, Renata Aspesi, Pietro Morgado e Yorrana Soares. Artista convidado: Franz. Coreografia, concepção e direção: Sandro Borelli. Assistência coreográfica: Rafael Carrion. Novo arranjo da trilha sonora: Gustavo Domingues. Luz: Alexandre Zullu e Sandro Borelli. Preparação corporal: Renata Aspesi, Sandro Borelli e Yorrana Soares. Figurino: Grupo (Cia. Carne Agonizante). Fotografia: Marcela Guimarães. Arte gráfica: Gustavo Domingues. Direção de produção: Júnior Cecon.

Foto: Marcela Guimarães
Onde:
Sesc Belenzinho
Sala de espetáculos II
Quando:
8 a 17 de abril/2022
Sexta e sábado às 21h30
Domingo às 18h30
Em 15 de abril não haverá espetáculo
Quanto:
R$ 30 (inteira)
Rr$ 15 (meia entrada/credencial Sesc)
Info:

Sesc Belenzinho: rua Padre Adelino, 1.000, Belenzinho, São Paulo (SP), tel. (11) 2076-9700. www.sescsp.org.br/belenzinho

Capacidade da Sala de Espetáculos II: 160 lugares.

Recomendação etária: 16 anos.

Duração: 110 minutos.

Protocolos de segurança para acesso e permanência no Sesc:

. Apresentação do comprovante de vacina – Em todas as unidades do Sesc no estado de São Paulo é necessário apresentar o comprovante de vacinação contra a Covid-19. Desde dezembro de 2021, o acesso às unidades passa a ser realizado mediante comprovação de duas doses da vacina ou da dose única, e um documento oficial com foto. O público pode apresentar o comprovante físico, recebido no ato da vacinação, ou o comprovante digital, disponibilizado pelas plataformas VaciVida e Conecte SUS, ou pelo aplicativo e-saúdeSP.

. Máscaras – uso recomendado, cobrindo adequadamente boca e nariz.

Estacionamento
De terça a sábado, das 9h às 22h. Domingos e feriados, das 9h às 20h.
Valores: Credenciados plenos do Sesc: R$ 5,50 a primeira hora e R$ 2,00 por hora adicional. Não credenciados no Sesc: R$ 12,00 a primeira hora e R$ 3,00 por hora adicional.

Para espetáculos pagos, após as 17h: R$ 7,50 (Credencial Plena do Sesc – trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo). R$ 15,00 (não credenciados).

Transporte Público

Metro Belém (550m) | Estação Tatuapé (1.400m)