Cia Sansacroma estreia “Vale: Corpos Negros e Sobrevidas”

A Cia. Sansacroma estreia Vala: Corpos Negros e Sobrevidas, espetáculo que discute o genocídio das pessoas pretas ao longo do tempo, no Sesc Belenzinho, depois seguindo em temporada no CRD – Centro de Referência da Dança da Cidade de São Paulo, na região central, e em dois espaços culturais periféricos da capital paulista – as Fábricas de Cultura Brasilândia e Capão Redondo.

A direção artística, coreográfica e concepção do espetáculo é de Gal Martins, ganhadora do décimo primeiro Prêmio Governo do Estado de São Paulo para Artes de 2020 e 2021 na categoria Cultura Urbana.

O projeto foi contemplado pela Programa Municipal de Fomento à Dança para a Cidade de São Paulo — Secretaria Municipal de Cultura.

Foto: Lua Santana

Vala: Corpos Negros e sobrevidas denuncia a “limpeza” e/ou genocídio das pessoas pretas e explica por intermédio de suas coreografias como a nossa estrutura social foi justificando e moldando novos valores, a urbanidade, a civilidade, a segurança pública e a política de morte.

Gal Martins teve a ideia de produzir o espetáculo após uma visita ao Cemitério dos Pretos Novos, no Bairro da Gamboa, Rio de janeiro. No local, arqueólogos encontraram mais de 5 mil fragmentos de ossos e dentes de pessoas negras. Especialistas dizem que até 20 mil corpos podem estar enterrados na área. Os corpos são de africanos escravizados que morreram durante a viagem marítima de três meses ao Brasil.

O local foi transformado em um instituto que manteve três valas abertas com ossadas e objetos de escravos expostos ao público.

“Eu fiquei muito mexida porque há uma energia muito forte naquele lugar. Então tive a ideia de criar o Vala. É um espetáculo que fala de morte da população negra. A ideia do espetáculo é justamente falar que fomos enterrados, mas apesar de tudo, temos sobrevidas. Esse enterro não é literal, mas simboliza a tentativa de matar nossa ancestralidade, construindo a ideia do corpo oco a partir da política de violência instalada no país. E como pessoas pretas temos que renascer constantemente” explica a diretora.

Vala traz ao palco o processo de objetificação e desumanização do corpo negro. “Sem dúvida, foi um dos instrumentos de opressão e manutenção da ordem e do status quo da nossa sociedade, muito sabiamente utilizado para manterem esses corpos dóceis e adestrados a exercerem na sociedade os papéis e espaços que a ele estavam destinados e que se perpetuaram historicamente na dissociação entre trabalho intelectual e trabalho manual, na sexualização e coisificação do corpo da mulher negra, na relação de traços de selvageria, animalização e incivilidade do corpo negro. Trata-se de um espetáculo que fala de morte, mas, ao mesmo tempo, fala principalmente da vida”.

Ficha técnica – Direção artística, direção coreográfica e concepção do espetáculo: Gal Martins. Assistente de direção: Djalma Moura. Intérpretes criadores: Aysha Nascimento, Cristiano Saraiva, Djalma Moura, Erico Santos, Marina Chagas, Regina Santos, Sabrina Dias, Victor Almeida e Tiago Silva. Trilha sonora: Dani Lova e Fefê Camilo. Figurinos e adereços: Gil Oliveira. Projeto de luz e cenografia: Caio Marinho. Engenheiro de som: Danilo Santana. Preparação corporal: Djalma Moura. Fotografia: Lua Santana. Direção de produção: Vanessa Soares – Movimentar Produções. Assistentes de produção: Dani Lova e Tonny Antonyo. Mídias sociais: Elo Negro Comunicação. Assessoria de imprensa: Lau Francisco. Design: Lais Oliveira. Apoio: Fomento à Dança de São Paulo – 2020.

 

Onde:
Sesc Belenzinho
CRD – Centro de Referência da Dança da Cidade de São Paulo
Fábrica de Cultura Brasilândia
Fábrica de Cultura Capão Redondo
Quando:
29 de janeiro a 19 de março/2022
Quanto:
R$ 30 e R$ 15 (Sesc)
Grátis no CRD e Fábricas de Cultura
Info:

Sesc Belenzinho:

29 e 30 de janeiro; 4 a 6 de fevereiro/2022

Sexta e sábado às 21h30; domingo às 18h30

Rua Padre Adelino, 1.000 – Belenzinho, São Paulo (SP).

Sala de espetáculo I.

Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia).

Venda presencial a partir de 26 de janeiro, às 17h.

Pessoas com mais de 12 anos deverão apresentar comprovante de vacinação contra COVID-19, evidenciando DUAS doses. O comprovante pode ser físico (carteirinha de vacinação) ou digital e um documento com foto. O uso de máscara é obrigatório durante toda a permanência na unidade. Para atividades com ingresso, será necessário apresentar o QR Code na entrada da atividade.

 

CRD – Centro de Referência da Dança da Cidade de São Paulo:

9 a 11 de fevereiro/2022

Quarta a sexta às 21h

Galeria Formosa, Baixos do Viaduto do Chá s/nº, Praça Ramos de Azevedo, região central, São Paulo (SP).

Grátis

 

Fábrica de Cultura Brasilândia:

9 a 11 de março de 2022

Quarta a sexta às 19h

Av. General Penha Brasil, 2508 – Brasilândia, São Paulo (SP).

Grátis

 

Fábrica de Cultura Capão Redondo:

16 a 19 de março de 2022

Quarta a sábado às 19h

Rua Bacia de São Francisco, s/nº – Conj. Hab. Jardim São Bento, São Paulo (SP).

Grátis

 

Duração do espetáculo: 90 minutos