Balé da Cidade retoma apresentações ao vivo com obras de Marisa Bucoff e Jorge Garcia

Após cinco meses de confinamento em razão da pandemia do novo coronavírus, o Balé da Cidade de São Paulo retoma apresentações ao vivo, no Theatro Municipal, com programa que reúne duas criações: A Casa, de Marisa Bucoff, que estreou em fevereiro deste ano, e Árvore do Esquecimento, de Jorge Garcia, de 2015.

Foto: Larissa Paz
A bailarina Rebeca Ferreira em "A Casa", de Marisa Bucoff.

Marisa Bucoff, bailarina que integra o Balé da Cidade de São Paulo há 21 anos, concebeu A Casa sob inspiração e influência dos tempos de pandemia e do isolamento social, com os efeitos decorrentes desta condição. O espetáculo, com 16 bailarinos no palco, transcorre em clima intimista e dialoga com os afetos que atravessam as subjetividades formadas durante o período de confinamento. Em uma representação de dualidade, A Casa simboliza não só a moradia e a proteção mínima que são espectros de sua figura natural, mas também a sua falta e tudo aquilo que é a ausência do lar.

“A retomada de um espetáculo é uma ocasião em que os bailarinos se apropriam muito mais do trabalho, que acaba ganhando outra consistência, e possibilita uma infinidade de refinamentos artísticos”, observa Marisa Bucoff. Para ela, trata-se de um conjunto de elementos, como a parte espacial e a iluminação, que ganham outras referências dentro do palco. “Como bailarina, entender esse lugar para se aprofundar mais com os personagens é fundamental”, acrescenta.

Com poucos elementos cênicos, como mesa, cadeiras, sofá e poltronas como ambientação de moradia dos bailarinos solitários, a coreografia traz corpos colados, mas separados por biombos com telas acrílicas transparentes, como medida de segurança e respeito ao protocolo de limitação de contato físico. Todos os bailarinos usam máscaras de proteção, podendo haver exceções nas cenas em que participam apenas bailarinos que moram juntos. Como parte dos protocolos sanitários determinados para a criação do espetáculo, A Casa não conta com cenário, além dos elementos citados acima. A trilha sonora original é de Ed Côrtes, desenho de luz de Mirella Brandi e figurinos de João Pimenta.

Foto: Sylvia Masini
"Árvore do Esquecimento", de Jorge Garcia

Em consonância com A Casa, que abre o programa, a companhia apresenta em seguida – sem intervalo – a remontagem de Árvore do Esquecimento, encenada pela primeira vez em 2015, no Teatro Paulo Autran, do Sesc Pinheiros, que passa agora por uma grande adaptação. Criada por Jorge Garcia, a peça é inspirada no livro e documentário Pedra da Memória, de Renata Amaral, que traz diálogos de festas populares de Pernambuco e Maranhão, cuja origem remonta a Benin, país da África Ocidental em que descendentes de escravos aportaram nas terras do Brasil no período da colonização.

No contexto, os escravos que saíam do porto de Ouidah rumo ao “novo mundo” eram levados antes à árvore do esquecimento, grande referência da montagem. Lá, os homens eram forçados a dar nove voltas em torno da árvore mística e as mulheres, sete, para que esquecessem de suas origens, sua identidade cultural e suas referências geográficas. Partindo desses elementos, Jorge Garcia resgata suas memórias ancestrais e faz um mergulho na África, Europa, península arábica, além do norte e nordeste do Brasil.

Com nove bailarinos no palco, a montagem, que antes era repleta de duetos e toques de corpo, foi adaptada para atender aos protocolos de segurança impostos pela pandemia. Agora, nesta adaptação, há maior presença de danças solo. Além disso, as adaptações das iluminações pantográficas dão um tom moderno e ao mesmo tempo industrial à referência maior, da árvore. “Diante desse contexto, precisei rescrever e reestruturar praticamente todos os jogos de cena. As mudanças que aconteceram foram praticamente todas coreográficas”, conta Jorge Garcia.

Desde de novembro de 2020, o Balé da Cidade de São Paulo está sem direção artística no cargo anteriormente ocupado por Ismael Ivo (1955-2021).

Fichas técnicas

A Casa

Concepção e coreografia: Marisa Bucoff. Música original: Ed Côrtes. Desenho de luz: Mirella Brandi. Figurino: João Pimenta, figurino. Elenco: Antônio Carvalho Jr., Ariany Dâmaso, Carolina Martinelli, Cleber Fantinatti, Fabio Pinheiro, Fernanda Bueno, Grecia Catarina, Isabela Maylart, Jessica Fadul, Leonardo Hoehne Polato, Leonardo Muniz, Márcio Filho, Marina Giunti, Rebeca Ferreira, Renée Weinstrof, Yasser Díaz. 

Árvore do Esquecimento

Coreografia: Jorge Garcia. Música original: Eder O Rocha. Desenho de luz: Ari Buccioni. Cenografia: Leo Ceolin. Figurino: João Pimenta. Elenco: Ana Beatriz Nunes, Camila Ribeiro, Leonardo Silveira, Luiz Crepaldi, Manuel Gomes, Marcel Anselmé, Marisa Bucoff, Renata Bardazzi, Victor Hugo Vila Nova. Suplentes: Bruno Gregório, Fabiana Ikehara.

 

Onde:
Theatro Municipal de São Paulo
Quando:
30 de julho a 8 de agosto
Quarta, quinta e sexta-feira às 19h
Sábado às 17h
Domingo às 17h
Quanto:
R$ 80 (R$ 40 meia)
R$ 40 (R$ 20 meia)
R$ 10 (R$ 5 meia)
Info:

Praça Ramos de Azevedo, s/nº, Centro, São Paulo (SP). Estações de metrô: Anhangabaú e República.

Classificação: livre.

Duração: 55 minutos aproximadamente.

Não será permitido o acesso de pessoas atrasadas, não havendo devolução de valores ou troca do ingresso.

Bilheteria: em função da pandemia de Covid-19, a bilheteria do Theatro Municipal de São Paulo está fechada por tempo indeterminado. As vendas de ingressos ocorrem por meio do site do Theatro Municipal de São Paulo – https://theatromunicipal.org.br/pt-br/.

As apresentações presenciais no Complexo Theatro Municipal de São Paulo, abertas ao público, estão sendo realizadas com capacidade reduzida de até 25% da casa para garantir a segurança das pessoas com o distanciamento entre os assentos. Estão sendo seguidas todas as diretrizes das orientações do Plano São Paulo e da Prefeitura Municipal de São Paulo. Para assistir às apresentações dos grupos artísticos do Theatro Municipal de São Paulo, é necessário seguir os protocolos de segurança estipulados no manual do espectador:  https://theatromunicipal.org.br/pt-br/manualdoespectador/