Ady Addor: o legado de uma mestra

Ady Addor, grande mestra da dança brasileira, pioneira entre os bailarinos que fizeram sucesso fora do Brasil, morreu no último dia 2 de agosto, aos 82 anos. Com seu conhecimento exponencial sobre dança clássica, manteve-se aberta para adaptar seu vasto instrumental artístico às demandas dos bailarinos e autores contemporâneos. O legado de Ady pode ser melhor compreendido por meio de seu trajeto artístico, ressaltado em texto de Maria Claudia Alves Guimarães, e da maneira como transmitiu seus ensinamentos. Também são esclarecedores os depoimentos de quatro importantes artistas brasileiras – Iracity Cardoso, Mônica Mion, Lumena Macedo e Esmeralda Gazal – que conviveram com Ady em diferentes momentos.

GRUA (Gentlemen de Rua) estreia SETe nas ruas de São Paulo

Formado em 2002, o grupo reúne sete bailarinos que, quase diariamente, estarão apresentando a nova criação em 14 diferentes locais da capital paulista, que incluem desde avenida Paulista, a Praça da Liberdade e o Largo do Arouche, no centro, até o Largo da Batata em Pinheiros e a alameda Santo Amaro, na região sul da cidade. Em breve será lançado um filme sobre SETe, dirigido pelo cineasta Heitor Dhalia.

Atravessamento de multiplicidades

Com dez bailarinos, seis músicos e uma cantora em cena, o espetáculo Será que É de Éter?, da Companhia de Dança Lápis de Seda, de Florianópolis (SC), propõe uma conexão binária entre dança e música ao vivo, fazendo pensar sobre resiliência, vida e arte.

Vida e obra de Angel Vianna em foco no Itaú Cultural

Ocupação Angel Vianna, no Itaú Cultural, proporciona visão abrangente sobre vida e obra de uma das personalidades mais importantes da dança brasileira. O evento acontece de 28 de fevereiro a 29 de abril e inclui a estreia em São Paulo de O Tempo Não Dá Tempo, espetáculo em que Angel, aos 89 anos, se apresenta com artistas de quatro gerações diferentes para interpretar a percepção do tempo.

Uma breve história
(Como entrei para o Balé da Cidade de São Paulo)

Em 7 de fevereiro de 2018, o Balé da Cidade de São Paulo completa 50 anos. Nesta data, meio século atrás, a companhia paulistana, então chamada de Corpo de Baile do Theatro Municipal, se apresentou pela primeira vez, integrando uma produção da ópera La Traviata, de Giuseppe Verdi. Raymundo Costa, bailarino que atua na companhia há 37 anos, relata seus primeiros passos no balé e sua entrada na companhia.