Cooperativa Paulista de Dança divulga contemplados do Prêmio Denilto Gomes 2013

O Prêmio Denilto Gomes, que a Cooperativa Paulista de Dança lança em 2013, já tem sua lista de escolhidos. No total, são 13 premiações para profissionais de São Paulo que, segundo a organização, compõem a construção de uma obra coreográfica na dança brasileira, entre os quais se inclui uma personalidade a ser homenageada. A festa de premiação será dia 11 de dezembro, às 21h, na Sala Paschoal Carlos Magno do Teatro Sérgio Cardoso.

Maria Duschenes, atualmente com 91 anos, é a personalidade que o Prêmio homenageia nesta primeira edição. Nascida na Hungria e radicada no Brasil desde 1940, Duschenes destacou-se principalmente como educadora. Pioneira da dança moderna no Brasil, além de difundir o Método Laban e formar inúmeros profissionais, ela contribuiu decisivamente para a evolução da dança no país.

Os outros 12 premiados de 2013 e suas respectivas categorias são:

. Ninho Sansacroma – Difusão da Dança;

. Link, de Alex Soares, para a Ribeirão Preto Cia. de Dança – Criação Coreográfica;

. Holoch, de Emilie Sugai – Criação em Dança Solo;

. Solo de Rua, de Luciana Bortoletto (da …Avoa! Núcleo Artístico) – Criação em Dança Solo de Rua;

. Justine (foto), da Cia. Maurício de Oliveira e Siameses – Criação em Dança;

. Espaços Invisíveis, da Cia. Damas em Trânsito e os Bucaneiros – Criação em Dança para Espaços Específicos;

. Alda Maria Abreu em Androgyne (Taanteatro Cia.) – Domínio de Movimento;

. Corpo sobre Tela, da Cia. Vidança – Direção Compartilhada;

. Balões Vermelhos, da Cia. Etra de Dança Contemporânea (Santos, SP) – Criação em Cenografia;

. Danilo Tomic, por Danças Passageiras, de Zélia Monteiro – Criação Musical;

. Hideki Matsuka e Sergio Pupo, por Projeto Propulsão / o que faz  viver Parte 2: SEGUINTE, da key zetta & cia. – Criação de Luz;

. Plêiade Cia. de Dança – 20 anos (Franca, SP) – Trabalho Continuado no Interior.

O troféu do prêmio foi criado pelo artista plástico, escritor, ilustrador e designer Fernando Vilela, que faz do diálogo entre corpo, espaço e movimento o mote e a poética de sua obra. Mesclando as linguagens da xilogravura, fotografia e escultura, Vilela tem obras que pertencem às coleções da Pinacoteca do Estado de São Paulo e do Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMa). Para conceber o design do prêmio, ele inspirou-se livremente em fotografias e vídeos que mostram Denilto Gomes dançando, sem o compromisso de fazer uma ilustração figurativa, mas um trabalho artístico autoral. “Busquei um caminho que conversasse com o corpo em movimento do Denilto, mas que ao mesmo tempo fosse independente dele e tivesse uma autonomia como trabalho de arte”, diz Vilela.

Natural de Sorocaba (SP), Denilto Gomes (1953-1994) desenvolveu, como intérprete e criador, trabalhos de grande importância para a história da dança contemporânea brasileira. Janice Vieira, Maria Duschnes e Takao Kusuno foram os mentores que o inspiraram a construir sua identidade artística, em trabalhos que associavam elementos da natureza e ritos ancestrais. Considerado um transgressor da dança, manteve-se ativo e irrequieto até morrer prematuramente, aos 41 anos.

Para a Cooperativa Paulista de Dança (CPD), constituída em 2005, o Prêmio Denilto Gomes se propõe a dar visibilidade às produções artísticas de dança desenvolvidas no Estado de São Paulo, e ao mesmo tempo favorecer uma compreensão mais ampla sobre as especificidades e abrangência desta arte. “Por entender que há pouco espaço nos meios de comunicação para os assuntos relativos à dança, a CPD considera essencial investir em ações contundentes e engajadas, que levem também a uma ampla discussão no campo artístico e político”, afirma Sandro Borelli, presidente da Cooperativa.  

A comissão que escolheu os artistas contemplados pelo Prêmio Denilto Gomes 2013 reuniu três convidadas, que iniciaram os trabalhos no primeiro semestre deste ano: Cilô Lacava, artista e educadora de dança, Elaine Calux, jornalista e editora, e Monica Bammann, artista da dança e produtora.