Complexo Cultural Luz não está paralisado, diz Marcelo Araújo, Secretário da Cultura do Estado de São Paulo

Em 2009, o então governador do Estado de São Paulo, José Serra, lançou o projeto do Complexo Cultural Luz. Esta ambiciosa proposta pretendia revitalizar a região da cracolândia, próxima à Sala São Paulo (no bairro da Luz, região central da cidade), por intermédio de um conjunto arquitetônico que teria três teatros e funcionaria como sede da EMESP – Tom Jobim (Escola de Música do Estado de São Paulo) e da São Paulo Companhia de Dança, fundada pouco antes já com o propósito de integrar o projeto.  

Quase cinco anos após o lançamento do Complexo Cultural Luz, que aguardou quase dois anos para obter a autorização jurídica de desapropriação dos imóveis da região, o jornal Folha de S.Paulo noticiou dias atrás, na edição de 17/3/2014, que o atual governador do Estado, Geraldo Alkmin, estaria paralisando o projeto por considerá-lo caro demais.

Orçado em R$ 600 milhões, o projeto do Complexo Cultural Luz já consumiu R$ 118 milhões. Ou seja, R$ 65 milhões com as desapropriações e R$ 53 milhões com o projeto arquitetônico encomendado ao prestigiado escritório suíço de arquitetura Herzog & de Meuron, o mesmo que concebeu o Estádio Nacional de Pequim, o “ninho de pássaro”, e o museu Tate Modern, de Londres.

Para o Complexo Cultural Luz, os arquitetos Jacques Herzog e Pierre de Meuron conceberam um edifício cuja estrutura horizontal, com altura média de 23 metros, é dividida em cinco andares. Projetado para ocupar todo o quarteirão localizado entre a Praça Julio Prestes e a Avenida Rio Branco, possui vários espaços de atividades e convivência, além do Grande Teatro, com 1.750 lugares, e das duas outras salas de espetáculos, uma para 500 e outra para 400 espectadores.

Ao Conectedance, a Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, responsável pela implantação do Complexo Cultural Luz, afirmou que as informações publicadas pela Folha não foram confirmadas pelo Governo do Estado e que o projeto não está paralisado. Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria, o status atual do projeto é a realização de um estudo que permitirá viabilizá-lo via PPP, isto é, Parceria Público-Privada.

Leia abaixo as respostas enviadas ao Conectedance por e-mail, pelo atual Secretário de Estado da Cultura, Marcelo Araújo.

Conectedance – Para a Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, o Complexo Cultural Luz é um projeto que continua em perspectiva de se concretizar? Como acha que será possível, uma vez que não há mais verbas destinadas para o projeto?

Marcelo Araújo – A Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo continua com o firme propósito de implantar o Complexo Cultural Luz segundo a última versão do projeto, apresentada pelo escritório Herzog & de Meuron no final de 2012, e que contempla uma área construída de 85 mil metros quadrados. No dia 17/3/2014, formalizando entendimentos que já se desenvolvem há algumas semanas, assinamos um protocolo de intenções com a Companhia Paulista de Desenvolvimento (CPD) para a elaboração de estudos técnicos e a modelagem de parcerias por meio de Parceria Público-Privada – estudo que não terá custo para a Secretaria. No entanto, é importante esclarecer que a PPP não exclui o investimento próprio.

Conectedance – Dentro das atuais perspectivas, há uma previsão de tempo para que o projeto seja retomado?

Marcelo Araújo – O projeto nunca parou. Um empreendimento destas proporções demanda uma série de atividades prévias à obra em si que continuam sendo realizadas. De sondagens de solo à finalização dos procedimentos de desapropriação da área. Agora, estamos nos debruçando sobre a modelagem da PPP.

Conectedance – Qual o investimento necessário para que o projeto se concretize de agora em diante?

Marcelo Araújo – Vamos fechar a estimativa quando tivermos os estudos de modelagem da PPP finalizados.

Conectedance – A São Paulo Companhia de Dança surgiu vinculada ao projeto do Complexo Cultural Luz. A paralisação do projeto representa risco para a SPCD?

Marcelo Araújo – Mais uma vez ressaltando que o projeto não está paralisado, não há risco de qualquer natureza para a São Paulo Companhia de Dança, uma companhia jovem e já plenamente consolidada na estrutura da Secretaria e na vida cultural do Estado de São Paulo.

Conectedance – Qual o orçamento da São Paulo Companhia de Dança hoje? A companhia já tem verba garantida para trabalhar em 2015?

Marcelo Araújo – São R$ 14,5 milhões para este ano. Os procedimentos para a definição do orçamento de 2015 ainda não se iniciaram.