Balé da Cidade de São Paulo estreia peça do espanhol Cayetano Soto no Teatro Alfa e encerra 2015 no programa de reabertura do Teatro Paulo Eiró

A inédita peça Adastra, do espanhol Cayetano Soto, e Cacti, do sueco Alexander Ekman, que estreou ano passado, compõem o programa que o Balé da Cidade de São Paulo apresenta no encerramento da Temporada de Dança de 2015 do Teatro Alfa, de 24 a 27 de setembro.

“Colhemos ótimos resultados com Uneven”, avalia Iracity Cardoso, diretora artística do Balé da Cidade de São Paulo (BCSP), justificando o retorno do coreógrafo espanhol Cayetano Soto e referindo-se ao espetáculo que ele montou em 2013 para a companhia paulista. “O trabalho dele foi importante, sobretudo para os bailarinos”, ela complementa, demonstrando satisfação ao vê-lo tão à vontade durante os ensaios que antecederam a estreia de Adastra. Em meio aos bailarinos do BCSP, é como se Soto se sentisse na terceira de suas casas, uma vez que ele atualmente se divide entre Barcelona, sua cidade natal, e Vancouver, no Canadá, onde é coreógrafo residente do Ballet BC.

Soto expressa admiração recíproca. “Aqui não encontrei bailarinos. Trabalho com verdadeiros artistas”, revela sobre o Balé da Cidade. Tanto que conseguiu ampliar de oito para 16 o número de bravos intérpretes para encarar a desafiadora dança de Adastra, que ele concebeu especialmente para o BCSP. Uneven, a obra anterior, foi uma remontagem da coreografia criada originalmente para o Aspen Santa Fe Ballet, dos Estados Unidos.

“Não há espaço para erro. É uma coreografia exigente”, resume Soto sobre Adastra, mostrando gratidão pela liberdade criativa encontrada no BCSP. Ele também assina a criação do figurino, desenho de luz e trilha sonora, com músicas do italiano Ezio Bosso. Para completar, preparou uma surpresa – chamada de “dispositivo cênico” – que faz referência direta ao tema da peça: um caminho que leva às estrelas.

Assim na terra…

Cacti, na segunda parte do programa, é a bem-humorada crítica à arte contemporânea concebida por Alexander Ekman. A obra faz um contraponto às aspirações humanas de Adastra, ao propor uma reflexão sobre estéticas vigentes. Concebida originalmente em 2010 para a companhia holandesa Nederlands Dans Theater II, Cacti foi remontada por Ekman para o Balé da Cidade no ano passado e agora volta a ser apresentada.

Em Cacti, o BCSP dança acompanhado pela Orquestra Experimental de Repertório, sob a regência de Carlos Moreno. O maestro define o trabalho de Ekman como uma elaboração coreográfica extremamente bem sucedida sobre as músicas de Haydn, Beethoven e Schubert. “Os aspectos contemporâneo, clássico e o romantismo schubertiano desta trilha sonora estão em perfeita harmonia com todo o gesto musical”, observa o maestro. “Percebe-se que houve uma profunda conversa durante a criação do espetáculo entre coreógrafo e músicos”.

Moreno também defende que a participação da orquestra dá aos bailarinos uma informação emocional dinamizada. “Isto potencializa a coreografia e ao mesmo tempo cria para o público uma atmosfera única”, ele complementa, dizendo ser para a OER uma grande honra poder compartilhar espetáculos com o BCSP, ambos corpos artísticos do Theatro Municipal de São Paulo (TMSP).

…como na cidade

 Em um ano de programação reduzida na sua própria casa, o TMSP, o Balé da Cidade começou o ano se apresentando no Sesc Pinheiros e também na Galeria Olido. Depois do Teatro Alfa, que fica na Zona Sul, até o final do ano a companhia amplia seu raio de ação.

“Era um desejo nosso e dos programadores do Alfa levar o BCSP para a Temporada de Dança deste belo teatro”, conta Iracity.

Entre as grandes salas de espetáculos e os espaços alternativos, o BCSP se mantém ativo nos palcos da cidade. Além do Theatro Municipal, realizará apresentações em um espaço público, o Terminal Pirituba de ônibus, e no Centro Cultural São Paulo. Em dezembro, estará no Paulo Eiró, um ótimo teatro localizado no bairro de Santo Amaro. Fundado em 1957, o Paulo Eiró foi amplamento reformado e, boa notícia, está pronto para reabrir suas portas. A reinauguração, no dia 28 de setembro, também marca seu funcionamento em parceria com a Fundação Theatro Municipal.

Veja abaixo a agenda até dezembro do Balé da Cidade de São Paulo.

24 a 27 de setembro

Teatro Alfa

Programa: Adastra, de Cayetano Soto, e Cacti, de Alexander Ekman

 

5 a 8 de outubro
Terminal Pirituba

Programa não informado

 

27 a 30 de outubro

Theatro Municipal

Com participação da Orquestra Experimental de Repertório.

Programa: Antiche Danze, de Mauro Bigonzetti; bandOneon, de Luis Arrieta; O Balcão de Amor, de Itzik Galili

 

27 a 29 de novembro

Centro Cultural São Paulo – Sala Jardel Filho

Programa: Abrupto, de Alex Soares; O Balcão de Amor (duo) de Itzik Galili;

 

3 a 6 de dezembro

Teatro Paulo Eiró

Programa a definir